quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Dieta de baixo teor de carboidrato.

Olá leitores queridos...
Sinto muito por não estar muito presente aqui no blog, mas além de estar muito atarefada nos últimos tempos, ainda estou de dieta!
Sabe aqueles 3 quilos que você sempre quer perder? Pois é, resolvi eliminá-los antes do fim do mundo, hehehhe...
Li muito a respeito das dietas à base de proteínas com redução de carboidratos e resolvi tentar.
Quando descobri a intolerância á glúten, estava com 57 Kg, no susto acabei emagrecendo, pois não sabia o que podia ou não comer, não cozinhava, enfim, aquele desespero.
Depois vieram as receitinhas, as arriscadas na cozinha, o blog, daí danou-se: o peso aumentou lógico!
Fora que todo celíaco deve saber, quando tem um prato sem glúten os familiares deixam tudo para você, por exemplo, nos aniversários da família sempre ganho um bolinho sem glúten, inteirinho pra mim!!!
As pessoas às vezes acham exagero meu, mas comparem: de 57Kg passei a 62/63 Kg, são 5 ou 6 Kg é muita coisa!!!
O primeiro contato com a dieta sem carboidratos foi por uma entrevista que assisti com o Dr. Merheb assinei o site de acompanhamento e achei muito legal, eles tiram todas as dúvidas prontamente e você pode postar as fotos antes e depois, comparar e garantir a privacidade.
Depois veio a onda Dukan no Brasil, a dieta da princesa Kate e tal... Comprei o livro do Dukan também e recomendo. Mas o meu objetivo não é falar sobre cada dieta, tem muito material sobre isso, o livro também é excelente, o que quero salientar é que a dieta Dukan preconiza o uso de aveia e farelo de trigo e nós celíacos sabemos bem que são alimentos expressamente proibidos para o consumo.
Fiz um comparativo com os benefícios desses ingredientes com outras farinha que nos são permitidas, como a quinua, o amaranto, a farinha de coco, sementes de chia e vi que podemos substituir tranquilamente por esses, sem nenhum prejuízo em contagem de carboidratos ou valores nutricionais.
No próximo post explica direitinho e mostro o comparativo.
Os meus resultados foram muito bons, na última pesagem estava com 58,5 Kg, rumo aos 57 sonhados, por isso resolvi postar algumas receitinhas muito boas, saborosas, fáceis e permitidas para nós celíacos.
Além disso, ando recebendo muitos apelos do tipo: "Josi, posta umas receitas mais lights!" Assim, atendendo a pedidos seguirei com uma sequência mais levinha.

Hamburguer de Atum

 INGREDIENTES: 
1 Lata de Atum sólido em água;
2 colheres de farinha de quinoa;
1 clara de ovo pequeno;
Meia cebola picadinha;
2 azeitonas picadinhas;
Cheiro verde a gosto;
Sal;
Pimenta;
Ervas se gostar.

MODO DE PREPARO:
Escorra o atum e desfie com um garfo da forma que preferir , gosto mais grosso, pedaços maiores.
Misture todos os temperos no atum e deixe uns 15 minutos no freezer para dar uma encorpada na massa.
Retire e faça duas bolas e molde os hambúrgueres.


Grelhe os dois lados em frigideira anti-aderente com um fio de azeite.
Servi com um patezinho de ricota, no próximo posto a receita!
Fica leve e nutritivo, uma delícia!
Beijos, aguardo comentários ;)
   
     
 



segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Pão Francês Delishville - Sem Glúten e Sem Lactose



 Olá pessoal! Essa receita é muito mais que especial, a referência dela é o blog da Leila (Delishville Sem Glúten) aqui ela revela com detalhes a emoção de conseguir fazer um pão francês, vale a pena correr lá e ler tudinho antes de continuar nessa receita ;)
Bem a ansiedade foi tamanha de fazer esse pão que corri a cidade atrás do novo ingrediente o Psyllium Husk, que é uma fibra muito usada recentemente para regular o intestino com muitas propriedades boas para a saúde, abaixo coloquei o link onde explica tudo direitinho. É importante saber que se encontra em lojas de produtos naturais e farmácias de manipulação, em Palmas encontrei na farmácia Fórmula Mais.
Na ansiedade de fazer o pão confesso que não li com atenção a receita e cometi dois erros:
1 - Era 1 colher de sopa de goma xantana, coloquei 1 colher de chá;
2 - O forno não era preaquecido, e eu fiz como sempre, preaquecido.
Estou revelando isso aqui porque a experiência foi mais feliz com esses "erros" do que quando repeti e fiz do jeito que estava na receita de Leila. Acredito que haja diferença principalmente no clima, pois ela está na Inglaterra e eu no calor de 40 graus de Palmas - TO.
Tentarei mais uma vez para que fique igual ao da Leila, mas achei que valia a pena postar essa também!
Vamos à receita:


INGREDIENTES:
2 xicaras da mistura de farinhas sem glúten - receita abaixo:

Mistura de farinhas:
Rende 5 xicaras
1 xícara de farinha de arroz;
1 ½ xícara de maisena;
1 ½ xic de polvilho doce;
½ xícara de fubá;
 Misture bem todos os ingrediente e coloque num recipiente fechado.

3 colheres (sopa) de farinha de amêndoas (passei no multiprocessador amêndoas laminadas);
1 colher de sopa de fermento biológico seco para pão;
1 ovo inteiro + 1 clara;
1/2 colher (chá) de psyllium husk em pó;
1 colher (chá) de goma xantana ( ou CMC);
¼ colher (chá) de bicarbonato de sódio;
½ colher (chá) de sal;
1 colher (chá) de gelatina em pó sem sabor;
 3 colheres (sopa) de creme vegetal derretido (uso Becel), ou margarina comum, para quem nao tem problema com lactose;
1 colher de (chá) de vinagre branco (de arroz ou de maçã);
1 1/2  colher (sopa) de mel;
1 xícara ( 250ml) de água morna;
Semente de gergelim para decorar;
Farinha de mandioca para polvilhar as forminhas.

Para o pãozinho ficar no formato de françês, faça as forminhas de papel alumínio, para cada forminha vai precisar de 50cm de papel alumínio. Corte e dobre algumas vezes ( 4-5). Molde em formato de forminhas ovais no tamanho de 15cm de comprimento x 5 cm de largura e 5-7 cm de altura.
Unte com creme vegetal e enfarinhe com farinha de mandioca.

Coloque dentro da batedeira todos os ingredientes secos.
Em seguida acrescente os ovos, o mel, vinagre, margarina sem lactose derretida e a água morna.
Bata na velocidade média da batedeira por cerca de 8 minutos, desligando de vez em quando para raspar as laterais.
Coloque duas colheres (sopa) de massa dentro de cada forminha e espalhe com a colher, pois fica muito pegajosa.
Verifique o aspecto da massa

                                               A massa é pegajosa, difícil de cair da colher

Polvilhe por cima do massa sementes de gergelim.
Leve para descansar em um ambiente quente e sem vento, coloco dentro do microondas. A massa deve dobrar de volume. Usei forminhas de pão de mel além das feitas de alumínio.


                                                  Os pãezinhos começando a crescer

Assim que puser o pão para crescer,  programe o forno elétrico para 180C, depois de crescidos  asse-os por 30 minutos ou mais , dependendo do forno.
 Assim que estiverem assados, retire do forno e deixe descansando em uma grade.

Observação: assim como acontece com o pão francês com gluten, a casquinha crocante não dura muitas horas mas, basta aquecê-lo novamente no forno ou torradeira que ele volta a ficar crocante. O pão pode ser congelado também como os outros.


E assim ficou o quase pão francês!

                                            Ficou com a casquinha crocante e o miolo macio

                             Não ficou tão leve como o da Leila, mas ficou delicioso. Ainda chego lá!


                                               Esse é o da forminha de pão de mel!

Espero que gostem, se tiverem um resultado melhor que o meu mandem seus comentários. Graças a pessoas como a Leila estamos evoluindo muito nas receitinhas!



quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Mousse de Sabor sem Açúcar e Sem Glúten

Dieta já!
Sobremesa permitida, sem açúcar!



INGREDIENTES:
2 pacotes de gelatina diet (usei a Lowçucar);
1 caixinha de creme de leite;
14 cubos de gelo;
1 polpa congelada de frutas (sabor a gosto);
2 colheres de gelatina de sabor para a calda;
Raspas de limão;
Adoçante de Stevia (Cerca de 10 gotas);
1 copo de água filtrada.

MODO DE PREPARO:
Mousse:
No liquidificador bata: 1 copo de água fervente e dois pacotinhos de gelatina.
Quando estiver bem dissolvida bata 14 cubos de gelo um a um.
Acrescente o creme de leite com soro e misture bem.
Coloque em forma com furo no meio e ponha para gelar. Depois de pronto desenforme a mousse em um prato (para facilitar passe a forma em água corrente até que derreta um pouco nas laterais e solte da forma).

Calda:
Em uma tigelinha coloque uma polpa congelada de fruta para suco (usei a de morango), e ponha 1 minuto no microondas para derreter. Ao derreter adicione, raspas de limão, 2 colheres de açúcar mexa bem  e volte no micro mais um minuto.
Dissolva 2 colheres de gelatina em um copo de água fervente, adicione na polpa e misture bem, adoce a gosto com adoçante Stevia (cerca de 10 gotas)
Deixe esfriar e cubra a mousse com um pouco da calda.
Como foi feita de gelatina, a tendência é  da calda endurecer, então deixe o restante reservado e coloque 20 segundos no micro antes de servir, ou retire da geladeira minutos antes que ela amolece.
 

Uma sobremesa deliciosa para quem está de dieta ou não pode com açúcar!

 Nem parece Diet, experimente!

Pão de Manjericão e Gorgonzola - Sem Glúten

Olá! Gente em minhas conversas culinárias com a Paula do Tempero Novo conheci a Katia Najara uma pessoa Finna de uma Cozinha Finna! Confiram aí nos links que vão entender o que estou falando!

A Katia tem uma proposta de facilitar e explicar as coisas na sua cozinha, inclusive tudo com vídeos, uma graça! Dona de uma simpatia sem igual ela cozinha em alto astral e diverte quem a assiste. 
O blog não é especial para nós celíacos, mas aproveitei a dica da Katia para adaptar essa receita para uma versão glúten free... Afinal ela mexeu com meu ponto fraco: manjericão e gorgonzooola!
Segue então a nossa versão dessa delícia:

INGREDIENTES:
 * são os do pão básico.
3 xícaras da mistura de farinha sem glúten (2xíc. de farinha ou creme de arroz, 2/3 de xíc. de fécula de batata, 1/3 de xíc. de polvilho doce);
2 e 1/2 colheres das de chá de CMC (dúvidas clique aqui);

1 colher das de chá de gelatina em pó sem sabor;

2 colheres das de sopa de açúcar + 2 colheres das de chá para levedar o fermento;

1 colher das de chá de sal;

1 e 1/4 de xícara de água mineral morna + 1/2 xícara para levedar o fermento;

1 colher das de sopa de fermento biológico seco;

1/4 de xícara de azeite;

1 colher das de chá de vinagre de maçã;

1 ovo + 2 claras.
500 g de gorgonzola (usei um pouco menos mais ou menos 300 g);
1/2 cebola roxa pequena;
1 dentes de alho;
1 buquê de manjericão fresco;

MODO DE PREPARO:
Em uma vasilha pequena, misture a 1/2 xícara de água morna com as duas colheres das de chá de açúcar e o fermento. Deixe levedar, levantar uma espuma, forma uma esponjinha.
No liquidificador bata: O manjericão, o azeite, a água morna, a cebola, o alho, o vinagre, o ovo e as claras.

Com essa mistura prepare o pão como o pão básico:
Em uma vasilha média, coloque a farinha, o CMC, a gelatina, o sal, o açúcar e misture com um batedor de ovos.
Coloque-a sobre a mistura de farinha e bata com a batedeira em velocidade baixa para misturar.
 Adicione a água de fermento e continue batendo em velocidade baixa e em seguida aumente para velocidade máxima.
Bata por 3 minutos.
Utilizei a máquina de pão ao invez da batedeira, deu super certo!


 
 Tentei captar a cor da massa, mas não consegui... Fica verdinha!
Utilize a assadeira untada e enfarinhada com farinha de arroz e verta a massa: mais ou menos 1/4 em cada assadeira:

                                      Distribua o gorgonzola picadinho com a mão mesmo

Cubra com o restante da massa e coloque para crescer como de costume, sempre ponho dentro do microondas.
Ele cresce bastante, portanto não deixe que a massa preencha a assadeira até em cima, precisa de espaço para crescer.
Depois é por direto no forno preaquecido.


Eu adorei esse pão!
Da próxima colocarei mais queijo, acredito que por nossa massa sem mais líquida ele incorporou bem na massa e não ficou tão suculento como o da Katia, mas tirou um: "tá de comer rezando" da minha mãe!!!



Vale a pena experimentar, o perfume que ele deixa na cozinha é de outro mundo!!!!
Beijos e até mais.
 
 


 

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Fatias Húngaras - Sem Glúten


Já comentei que minha família tem origem húngara? 
Meu avô veio pequenininho da Hungria com os pais, se chamava Yanosh Buzachi.
Depois naturalizou o nome para João Buzachi, achei o Ó! Mas ele era traumatizado pela guerra e abolia tudo que lembrasse sua origem. Meu avô querido faleceu em 2001, mas é incrível o tanto que ele é presente na nossa vida.
Minha vózinha tem N receitas húngaras, bolachinha, goulash, as fatias e muitas outras que ainda pretendo aprender a fazer.
A idéia não foi minha, mas da Rejane Reis que incluiu essa e muitas outras delícias em seu Livro, e pode ser acessado e baixado totalemnte grátis.
As fatias foram feitas com a receita do pão de leite da Rita, que já fizemos aqui no blog, porém reduzi muito o sal da receita original e um pouco do polvilho.
Vamos lá?

INGREDIENTES E MODO DE PREPARO:

1 xicara de polvilho doce;
1 1/2 xicara leite em pó;
1 xicara farinha de arroz;
1 colher (sopa) rasa de açucar;
1 sache de fermento de pão;

Deixe descansando, enquanto isso leve ao fogo:

300ml de agua;
6 colheres(sopa) de polvilho doce.

Vá mexendo sempre até formar um grude tranparente, desligue o fogo e reseve.


Faça um buraco no meio daquela mistura que estava descansando e coloque:
1 colher (chá) sal;
2 ovos;
3 colheres (sopa) oleo;
1 colher (sopa) margarina.

Misture bem, coloque o grude reservado ainda quente e vá amassando com as mãos.
Será  preciso colocar mais ou menos 1 xicara de farinha de arroz a mais até se obter uma massa lisa (fica parecida com a de trigo).

RECHEIO

 ½ xícara (chá) de manteiga;
 ½  xícara (chá) de açúcar;
1 pacote de coco ralado.

Num recipiente, misture todos os ingredientes e aplique. 

Faça  um rolo com a massa, abra sobre uma mesa polvilhada com farinha de arroz, até formar um retângulo de 3mm de espessura. Pode abrir a massa sobre um filme plástico também, fica mais seguro para enrolar.


  Espalhe  o  recheio,  enrole  como  rocambole corte em fatias de 2 cm de largura.

Coloque  em  assadeira  polvilhada  com  farinha  de  arroz (não precisa untar). Deixe crescer.
Coloque uma bolinha num copo com água e quando ela subir, as fatias estarão crescidas.
 
Levar  para  assar  em  forno  quente,  até  fcarem  meio douradas.
 Retire, regue com o leite condensado.







Eis o resultado! Precisa dizer que ficou muito gostoso?
Acho que não!



sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Bolo de fubá com laranja - Sem glúten e sem lactose

"Aguada", vocês conhecem essa expressão?
Pois é, minha avó estava aguada para comer um tal bolo que viu na tv de fubá com laranja!
Achamos uma receita na net e adaptamos para a versão glúten free, o resultado foi um bolo muito macio, fofinho e levíssimo!


Segue a receita:

INGREDIENTES:

1½ xícara (de chá) de fubá;
1½ xícara (de chá) de maisena;
1 xícara (de chá) de suco de laranja natural;
¾ xícara (de chá) de óleo;
3 ovos;
1 xícara (de chá) de açúcar;
1 pitada de sal;
1 colher (de sopa) de fermento em pó.

MODO DE PREPARO:
Separe as claras e bata em ponto de neve.
Bata o restante dos ingredientes, menos o fermento, no liquidificador até ficar uma mistura homogênea (sempre os líquidos primeiro).
Junte as claras em neve à mistura mexendo deliacadamente com um batedor de ovos ou colher, peneire o fermento na massa misturando bem e levemente.
Despeje em forma de buraco no meio com 22 cm de diâmetro untada e enfarinhada.
Leve para assar em forno médio preaquecido por cerca de 40 minutos ou até dourar.

A foto ficou ruim, pois mal deu tempo de pegar o celular para fotografar, o perfume estava tão bom que atacaram logo!
 

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Palestras do Gluten Free - 2012.

Olá, segue o terceiro e último post do Gluten Free 2012, pela nossa correspondente Silvia direto de São Paulo.
Silvia fez um resumo do que viu nas palestras do Glúten Free, saliento a importância de se investigar as alergias e intolerâncias alimentares através dos exames de sangue pelas taxas de imunoglobulinas (IgE e IgG).
Além disso, a Silvia nos contou que adotou um hábito excelente com a DC, que é o de levar seus aliementos em festinhas, sempre alguém quer experimentar, concordo Silvia! 
Nossos parabéns a você pelo excelente trabalho!
 

Bem, se vocês estão seguindo a minha matéria sobre o 3º GLUTEN FREE E 1º ZERO LACTOSE DE SÃO PAULO, neste ano de 2012, eu não preciso nem mencionar o quão super qualificados eram os palestrantes. Mas, se você não leu a matéria anterior e ficou interessado em saber quem eram os profissionais que deram um verdadeiro show, ou melhor, uma imensa chuva de conhecimento para os celíacos, suas famílias e seus cuidadores, acesse  gluten free e selecione PALESTRANTES.

Agora, vamos ao que interessa! Bem, como todos já sabem, a doença celíaca, ou “DC” para os íntimos, apareceu em mim no final do ano passado (2011).

Para uma criatura metida à gourmet como eu, claro, foi o caos. Eu quase que pirei. Entretanto, como informação é poder, eu logo tratei de entender o que era e como lidar com a doença.

Em minha caminhada em busca de conhecimento, acabei conhecendo a ACELBRA – Associação dos Cleíacos do Brasil, que tem cartilhas ótimas com informações valiosíssimas e que me fez ficar interessada em participar do GLUTEN FREE. E claro, também acabei conhecendo uma criatura muito fofa, mas totalmente sem glúten (a Josi!), cujo blog com receitas e informações livres de glúten agraciou-me com uma credencial VIP para participar do evento.

Como a programação de palestras abertas contou com cinco profissionais, eu vou fazer um resumo geral, me atendo ao conteúdo que absorvi sobre os temas ministrados pelos três primeiros palestrantes, para que vocês possam perceber o quanto este evento é importante e necessário.

Começamos com a Dra Lucyanna Kalluf, cujo tema foi “Tratamentos alternativos para intolerâncias e alergias alimentares”. Com esta palestra eu aprendi que realmente somos um reflexo daquilo que comemos. Ao olhar um par de silhuetas preenchidas com alimentos, pude entender por que. Havia uma silhueta preenchida com uma profusão alimentos sadios (frutas, legumes, verduras, grãos, produtos frescos, etc) e uma outra preenchida com uma profusão de alimentos industrializados e vazios daquilo que mais necessitamos (vitaminas, sais minerais, fibras, oligo elementos).  O que se percebia? Uma silhueta magra e outra silhueta gorda/inchada.

A silhueta gorda e inchada é o prenúncio dos problemas de saúde que vamos desenvolver ao longo de nossa vida e, principalmente, ao final dela. Justo hoje, quando se fala tanto em qualidade de vida, com olho no presente e no futuro (com relação a futuro, subentenda-se velhice), precisamos ser mais seletivos quanto a nossa alimentação. O ser humano está vivendo mais e, assim, é preciso garantir saúde para os dias da velhice que certamente trazem limitações com o avançar da idade.

A intolerância ou alergia a certos alimentos tem sua “cura” com a remoção do mesmo. Há quem aplique o princípio da vacina, administrando doses bem diluídas ao longo de um tempo para que, a pessoa, geralmente crianças, adquiram resistência para não mais manifestar as reações adversas ou alérgicas ao alimento em questão. Minha mãe fez isso comigo com relação ao leite.

Mas, como já sabemos, não convém contrariar a natureza pois, fatalmente, no futuro as complicações advindas da insistência em consumir algo não desejado pelo organismo e seu sistema imunológico trará suas consequências. Afinal, os instrumentos fisiopatológicos responsáveis pelas doenças estão presentes em nós anos antes das doenças se instalarem. Ou seja, estamos constatando a realidade do horizonte clínico.

Entendam, não é porque temos predisposição genética para manifestarmos certas doenças ao longo da vida que necessariamente iremos desenvolvê-las.

A predisposição genética é tal qual o gatilho de um revólver, que pode ou não ser disparado. Qual a sua escolha? Puxar o seu próprio gatilho ou tomar medidas preventivas de modo que ele não seja disparado?

É preciso saber que, dentro da equação para uma vida saudável e duradoura, apesar dos 25% da responsabilidade repousar sobre a nossa biologia, 75% dessa equação depende do nosso estilo de vida.

Aí você me pergunta: Como assim, nosso estilo de vida?

E eu te respondo: Sim! A implementação de hábitos como alimentação saudável (balanceada e sem glúten, sem lactose e sem caseína) e como a prática de exercícios físicos com regularidade, em nossa rotina diária, tem forte impacto dentro dessa equação.

Apesar das alergias e intolerâncias alimentares se manifestarem nos primeiros anos de vida, nada impede que elas se manifestem em idade tardia, como ocorre com algumas pessoas que se descobrem repentinamente celíacas.

Então é preciso saber que para as crianças 90% das alergias alimentares se dão por conta de leite, ovo, amendoim, soja e trigo. Enquanto que para os adolescentes e adultos  as alergias se dão por conta de mariscos, peixes, nozes e amendoim.

Outra coisa que precisamos fazer é adotar o uso de produtos orgânicos, de origem vegetal e animal, livres de pesticidas, hormônios e antibióticos.

Conforme muito bem dito pelo biólogo Bruno Zylbergeld, que palestrou sobre “A importância da saúde intestinal nas intolerâncias e alergias alimentares”, a gente paga o preço pelas escolhas que faz.

As pessoas que sofrem de doença celíaca ou de alergias e intolerâncias alimentares precisam evitar ingerir aquilo que lhes faz mal pois, tudo que diz respeito à saúde e à imunidade de uma pessoa, seja bom ou ruim, ocorre no trato gastrointestinal.

É preciso agir com extrema consciência quando o assunto é alimentação, para evitar a hiperacidez e as lesões gastrointestinais, com a consequente destruição das vilosidades do intestino.

Quando a criança ou o adolescente ou o adulto começa a apresentar com grande freqüência gases, diarréia, fezes extremamente fétidas, prisão de ventre, e manifestação de doenças tidas como crônicas (bronquite, rinite, sinusite), está mais do que na hora de fazer uma investigação para alergias e intolerâncias alimentares que podem deflagrá-las, que são medidas através dos exames de sangue pelas taxas de imunoglobulinas (IgE e IgG).

Uma vez que a alergia ou a intolerância alimentar tenha sido diagnosticada, não existe meio termo. É preciso retirar os fatores alérgenos da nossa vida. Ou seja, se você ou seu filho foi diagnosticado com doença celíaca ou com intolerância à lactose ou caseína, ou ambos problemas, retire totalmente o glúten, a lactose e a caseína de sua vida. E não precisa se desesperar, pois uma vida sem glúten e sem lactose e sem caseína pode ser extremamente interessante e deliciosa.

A Dra Gisela Savioli, ao palestrar sobre “Como adequar o seu dia a dia sem glúten e sem lactose”, foi muito clara quando respondeu a pergunta de um paciente:  e agora, o que é que eu vou comer?  Simples, comida de verdade! Comida da vovó!

Aí você se pergunta:   comida da vovó? Sim!  Frutas, verduras, legumes, frutas, leguminosas, hortaliças, proteína vegetal. De preferência, tudo orgânico. Sem pesticidas, sem hormônios e sem antibióticos. É preciso redescobrir o prazer de comer comida de verdade e, inclusive, de preparar a própria comida. E, acreditem, esse é o caminho mais fácil de fazer a família inteira mudar os hábitos alimentares. Pelo menos em casa, essa atitude irá fazer com que o paciente não se sinta socialmente excluído ou impossibilitado de participar de reuniões sociais que envolvam comida. Afinal, o celíaco não pode comer a comida das outras pessoas, mas todo mundo pode comer a comida do celíaco, pois trata-se de uma comida saudável e super saborosa.

E já me adaptei e estou adaptando o povo lá de casa.

Quando preciso comparecer a uma reunião social fora de casa e que envolva comida, não tenho dúvida, faço algumas coisas que gosto de comer e levo minhas marmitinhas maravilhosas, muito bem servidas. Afinal, sempre tem alguém querendo experimentar.

Bem, essa foi a solução que encontrei e que tem dado certo em minha vida. E vc? Vai aderir a uma vida mais saudável e feliz ou vai ficar pagando o preço das dores de estômago, de barriga, da fibromialgia, da artrite, das crises respiratórias entre outras enfermidades?

Se eu fosse você, eu mudava rapidinho!

Um beijo e até a próxima matéria.

O nosso muito obrigada para a Silvia, e até o próximo post!

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Não contém glúten. Ufa!

Pela primeira vez na vida li um texto sobre restrição ao glúten que me senti acolhida, compreendida, diria até acalentada. O lado emocional é o mais afetado quando descobrimos a doença, com a melhora do quadro, vem o sofrimento da restrição alimentar... 

Tomei a liberdade de publicar o texto de Denise Mairesse, psicanalista. Retirei deste blog . Leiam e sintam-se abraçados.

Não contém glúten. Ufa!Quem ainda não leu ou escutou sobre o mais novo vilão do século XXI: o glúten? Contém glúten ou não contém glúten é um enunciado presente na maioria das embalagens dos alimentos industrializados. Trata-se de uma proteína encontrada em alguns cereais, como o trigo, a cevada, o centeio, o malte e a aveia, e causa grandes danos a quem é alérgico. Pessoas com esse problema são portadoras da doença Celíaca, mal que, em função de inflamação no intestino delgado, compromete as vilosidades responsáveis pela absorção dos nutrientes.

Você que não tem restrições ao glúten e é um amante de gastronomia italiana, já se imaginou resistindo a uma pizza ou lasanha como a da “nona”? Você que adora viajar e frequentar lugares exóticos, experienciar outras culturas a partir dos seus sabores, já imaginou precisar perguntar a cada prato quais ingredientes foram usados, como foi preparado, se havia algum glúten passeando por perto da caçarola no momento em que seu camarão estava sendo preparado, ou mesmo saltitando no avental do chef?

Comer fora de casa, nesses casos, torna-se uma aventura nem sempre vibrante, pela superação dos desafios, mas um suplício pelo enfrentamento de “caras e bocas” dos garçons, gerentes, “chefs” de cozinha e clientes quando o interrogatório sobre os pratos se inicia. Taxado muitas vezes de neurótico obsessivo, hipocondríaco ou simplesmente chato, os portadores da doença Celíaca são vítimas de preconceito e alvo de piadas. A dor física e psíquica gerada pela presença da alergia, se curada pela não ingestão do glúten (único tratamento existente), é substituída pelo sofrimento da condição do “ser diferente”, como se não bastasse a saudade que a falta do sabor dos alimentos inflige. A saudades daquele gosto do bolo de chocolate que a mãe preparava para o lanche junto com os amigos ou para o piquenique no parque. O do cachorro quente, entrada principal no cardápio das festinhas de aniversário, o da pizza de domingo, da macarronada instantânea dos acampamentos. Na cultura judaica, em que se comemora o “Pessach” em torno das refeições regadas a “matzá” e “kneidales”, alimentos a base de trigo, também deixam sua marca saudosa. Ou seja: como ser judeu sem comer o “matzá”? Ou ser cristão sem receber a hóstia?

A restrição total ao glúten traz um grande sofrimento para algumas pessoas, principalmente para aquelas a quem os alimentos têm um lugar de afeto e prazer primordial na vida. Assim, os primeiros tempos de descoberta da doença exigem não somente uma elaboração em torno da experiência nutricional e gastronômica, mas da própria identidade e dos valores atribuídos à vida. Nas reuniões sociais é necessário deslocar o prazer dos quitutes servidos para focá-lo no que, desde então, essas ocasiões explicitamente propõem: boas conversas, música, dança ou outras formas de lazer. Muitas vezes, esses propósitos são esquecidos por estarem recobertos por um tipo de apelo emocional dos alimentos. Este é um dos modos de descobrir o quanto se poderia, até ter se deparado com o problema com o glúten, estar se perdendo e o que se passa a ganhar com um outro olhar sobre a vida. Ela torna-se híbrida, mais colorida, divertida. A sociabilização adquire novos sentidos, não se aceita mais comodamente qualquer companhia ou passeio. O tempo e o espaço passam a trazer experiências que não podem mais ser camufladas por uma fatia de torta ou por um copo de cerveja. O que passa a estar em jogo é o que entra e sai pela boca em forma de palavra, de discurso − nem mesmo a pipoca do cinema, que raramente contém glúten, consegue se sobrepor ao gosto pelo filme. O sabor só se sustenta pelo meio e não mais vice-versa.

Assim, se realiza o “luto” por “velhos sabores”, já que alguns são perdidos para terra do “nunca mais”, mas que também oferecem lugar a essas novas experiências. E, também, ao resgate de sabores que deveriam sempre fazer parte constante do nosso dia a dia. Como os das frutas da época, deliciosas como só elas. O sabor de um feijão bem feito, como o da “tia Anastácia”, ou dos doces campeiros que encontramos com fartura: a ambrosia, o pudim de leite, as compotas e muitos mais que guardam em si um gostinho de casa da vovó.

Portanto, é fundamental lembrar mais do que se ganhou do que se perdeu, passar a valorizar os novos sabores, as novas receitas, outros velhos paladares muitas vezes esquecidos. Lembrar que, muitas vezes, no momento do interrogatório nos restaurantes teve alguém que se preocupou, fez questão de pesquisar ou preparar algo especialmente para você. Que existem pessoas que respeitam a diferença e que nesse momento você também passará a respeitá-las e valorizá-las mais, não somente as pessoas, mas a própria diferença. Que estar nessa condição é difícil, mas também pode ser especial pelas possibilidades originadas. E, enfim, lembrar que se você optar pela vida apesar de sua condição de imperfeição ao invés de vivê-la na melancolia pela intolerância com sua própria falta, perceberá que em sua condição de humano e ser faltante se tornará realmente belo. Efeito do brilho que você adquire quando vive plenamente todas as suas possibilidades.


http://dradenisemairesse.blogspot.com.br/2010/03/nao-contem-gluten-ufa.html

terça-feira, 17 de julho de 2012

Nhoque Recheado - Sem Glúten - Vovó em casa!




Férias, bebê novo na família e visita das paulista Vó e titia... sinônimo de ...? Comilança lóogico!
Um dos pratos tradicionais da família Buzachi é o Nhoque Recheado, toda vez nos reunimos a vó tem que fazer!
É uma receita simples, deu super certo com a farinha sem glúten, e a Vó gostou tanto que vai passar a fazer sempre assim, pois achou o prato mais leve e a massa macia.
Vamos ao passo a passo!!!!

INGREDIENTES:
1 Kg de batata;
1 ovo;
1 colher de margarina derretida;
Farinha Preparada (qualquer uma);
150 g de mussarela em cubos;
Molho de tomate ao sugo mais ralinho.

MODO DE PREPARO
Cozinhe as batatas e esprema;



                                         Acrescente a margarina e o ovo e misture bem,
 Vá massando e acrescentando colheradas de farinha preparada sem glúten, deu ponto com 3 colheres mais ou menos, mas depende da batata também.(olha a mãozinha fofa dela!)

                                                          Massa no ponto de enrolar!             

                                                             Queijo para o recheio

                         Enrole as bolinhas com o queijo no meio e acomode-as em uma assadeira;

                                       Adicione o molho e parmesão por cima e leve ao forno.
                                       Quando borbulhar retire do forno e está pronto!
                                        O molho deve ser bem líquido pq engrossa no forno.
               Que tal esse queijo derretido? Huuummmmm só minha avó mesmo pra me tirar da dieta!
Então aproveitem o frio para quem tem frio, pq aqui nem esse desculpa nós temos para comilança, hehehe...
Beijos.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Tudo o que rolou no 3º Gluten Free e 1º Zero Lactose - Parte II

Olá! Como vocês já sabem o blog tem uma leitora mais do que especial,  a Silvia ganhou a nossa cortesia para participar do evento Gluten Free! 
Ela foi e conferiu todas as novidades bem de perto, e de quebra fez uma cobertura completíssima para nós que não pudemos estar presentes.
Bom, com tantos detalhes captados por nossa correspondente, chego a sentir odores e pior... babar de vontade provar de tuudo!
Mas vamos ao que interessa, a segunda parte dos produtos livres de glúten e lactose do Gluten Free!!!

BALKIS – A INCRÍVEL FÁBRICA DE QUEIJOS!
Não, pessoal. Não estou louca não. Agora já existe queijo sem lactose! Sim, mesmo sendo muito intolerante à lactose, eu provei todos. Afinal, eu estava lá para fazer uma cobertura completa do evento em sua programação livre. E eu me apaixonei pelos produtos light (mussarela tradicional e mussarela de leite de búfala). Mas a Balkis também oferece outros queijos sem lactose:  Minas Padrão, Minas Padrão Azeitona, Minas Padrão Pimenta, Minas Padrão Alho, Minas Padrão Light, Tilsit, Prato, Prato Light, Prato Esférico, Mussarela, Mussarela Palito, Mussarela Bolinha, Lunarella, Flor de Leite, Pingos de Leite,  Pizzarela.
Claro que sendo tão intolerante, eu degustei os produtos morrendo de medo de manifestar aquelas horríveis cólicas e distensão abdominal. Mas a única coisa que eu senti foi uma ligeira dorzinha nas têmporas, como se fosse ter uma enxaqueca. Só que foi algo muito leve e não durou mais que uma hora. E sabendo que cada organismo é único e reage de maneira própria, como foi o meu caso, mesmo que os testes destes queijos tenham sido otimistas quanto a ausência de lactose, a Balkis recomenda que procuremos um médico antes de inserirmos os seus produtos em nossa dieta. Afinal, alguns de nós também podem ser intolerantes ou alérgicos à caseína (proteína do leite).
Agora, a foto para vocês babarem, meus amores!


Se quiserem conferir, acessem:    www.balkis.com.br

  Daiata, conceito em alimentos funcionais
Para quem ama pão sueco e grissinis, os produtos da Daiata são tudo de bom. Afinal, como todos sabemos, as massas sem glútem, quando bem sólidas antes de irem ao forno ou quando são muito assadas, tendem a ressecar e ficarem muito duras, aliás, duras feito pedras. E haja dentista pra consertar os estragos... Entretanto, os produtos da Daiata são bem mastigáveis, tem um sabor muito bom e eu acho que vocês deveriam conferir. Minha preferência ficou sobre o grissini de gergelim e o pão sueco sabor azeitona.
Uma foto para encantar os olhinhos de vocês:

E o site da empresa:   www.daiata.com.br


MONAMA ORGÂNICO
Pessoal, olha aqui a responsável pelo meu pratinho encantador, digno de foto! Além de uma linha completa de produtos orgânicos como barra de cereais, óleo e farinha de coco, a Monama faz um produto especial para os celíacos:   granola sem glútem. Essa granola é preparada com base sem glútem, cacau orgânico, farinha de coco orgânica, flocos de amaranto, flocos de quinoa, castanha do Pará orgânica. É excelente para comer com mel. Delícia! Delícia! Delícia! Ah, e a Monama distribuiu folders de produtos, com um sache contendo amostra de sua saborosíssima farinha de coco.
Foto da fila para a degustação dos produtos da Monama. Estava impossível fotografar a mesa, tamanha a concorrência!


Não espere ver fotos dos produtos no site da Monama, porque não tem e eu acho isso uma pena. Mas, se você entrar no site e se cadastrar, pode comprar direto da fábrica. Eu já me cadastrei! Então, aqui vai o endereço para vocês:  www.monama.com.br

GRANI AMICI
Está aí uma empresa bem bacana. Quando você acessa o site dela e clica no item “Produtos”, olha só a primeira mensagem:  
“Pães, torradas, bolos e minibolos
Com tecnologia inovadora, a Grani Amici oferece produtos frescos livres de glúten e lactose, conservados em temperatura ambiente, sem adição de conservantes ou necessidade de congelamento. É praticidade aliada à nutrição, saúde e bem-estar.”
Bem, diante do exposto pela própria empresa, só posso dizer que amei os minibolos e o bolo especial. Agora, segue uma foto do folder de produtos:



Confiram:   www.graniamici.com.br

DELAKASA – Geléias com sabor de casa!
Se vocês adoram comer o pãozinho ou a fatia de bolo do café da manhã, com uma cobertura de geléia de frutas diet, então vocês precisam conferir as geléias da DELAKASA, que são encontradas nos sabores abacaxi, ameixa, amora, damasco, goiaba, jabuticaba, morango e uva. Além de serem diet, essas geléias são todas “Josi”, ou seja, elas não contém glúten! Hehehehe

www.delakasa.com.br

Nutri Cookie
Para quem adora um copo de leite de soja bem gelado e um pratinho de cookies, como eu, não pode deixar  de conferir os cookies e rosquinhas da empresa RET BISCOITOS.  A empresa é paulistana e não tem site ainda, mas pode ser contatada pelo telefone:           (11) 3808.7810
Foto parcial do folder distribuído pela RET BISCOITOS:





E SEUS SNACKS MARAVILHOSOS!
Sob a emblemática frase da GOOD SOY,  “Sua vida Sem Glúten muito mais gostosa”, eu não preciso falar muito dos produtos desta bem conceituada empresa mas, justiça seja feita, eles me surpreenderam novamente.  A GOOD SOY lançou snacks que, além de não serem fritos, não contém glúten e nem lactose. Exceção feita ao snack sabor queijo, que pode conter traços de lactose. Eu já provei e aprovei!

 

VITAO
Famosa por seus produtos de origem integral, a VITAO trouxe 3 itens que eu apreciei muito:

Cookies Integrais Sem Glúten de Baunilha com Gotas de Chocolate

Ingredientes

Açúcar mascavo, fécula de mandioca, óleo de soja, amido de milho, farinha de milho, farinha de arroz, gotas de chocolate ao leite, fécula de batata, açúcar mascavo invertido, fibra de soja, farinha de soja integral, sal comum moído e iodado, clara de ovos, agente de massa polidextrose, estabilizante (goma guar, carboximetilcelulose sódica e lecitina de soja), fermentos químicos (bicarbonato de sódio, bicarbonato de amônia, pirofosfato ácido de sódio), aromatizante, corante natural caramelo e acidulante ácido cítrico.
Também nas combinações:  Cacau com gotas de chocolate  e   Castanha do Pará
NÃO CONTÉM GLÚTEN

Granola Sem Glútem Castanhas e Sementes

 Ingredientes:

Flocos de milho, flocos de arroz, açúcar mascavo invertido, açúcar cristal invertido, soja em grãos, proteína texturizada de soja, açúcar mascavo, açúcar cristal moído, castanha-do-pará, castanha-de-caju, óleo de soja, coco ralado, gergelim torrado, fibra de soja, semente de linhaça, semente de girassol, estabilizante polidextrose, aroma idêntico ao natural de baunilha, antioxidantes (lecetina de soja, BHT, BHA e ácido cítrico).

Também nas combinações:  Cacau e Coco  e   Castanha, Soja e Linhaça
NÃO CONTÉM GLÚTEM





Chocolate Meio Amargo ZERO Açúcar

Ingredientes:

Líquor de cacau, manteiga de cacau, polidextrose (fibra alimentar), edulcorante natural maltitol, emulsificantes (lecitina de soja e ésteres de ácido ricinoléico interesterificado com poliglicerol), aromatizante.
NÃO CONTÉM GLÚTEM



Se quiser conferir, não deixe de acessar o site:   www.vitao.com.br




Sim, a Almofariz é uma farmácia de manipulação, nas que comercializa alimentos especiais, inclusive com finalidade terapêutica. Alguns dos produtos comercializados pela empresa são importados, de altíssima qualidade e que eu tive a oportunidade de provar. Destaque especial para as gomas de multivitaminas para adultos e para crianças e, também, para as barras de chocolate de 500g, sem glúten e sem lactose, para enlouquecer de alegria qualquer doceira e dona de casa celíaca.



 
Infelizmente, não é possível ver esses produtos ou uma descrição pormenorizada deles no site da almofariz. Em todo caso, vai aqui o site da empresa para quiser fazer uma visitinha:  www.almofariz.com.br

FRENZ – A FARINHA DE BATATA COZIDA E DESIDRATADA - SUPER, ULTRA, MEGA VERSÁTIL!
Gente, eu tenho que falar! Essa farinha, que conta com ingredientes super especiais como a goma guar e a goma xantana, promete ser um tremendo coringa nas cozinhas celíacas dada a sua versatilidade e rendimento. Também, pudera. Essa farinha é produzida por quem mais entende de batata no mundo: os holandeses.
Sim, a farinha é importada e eu ainda não faço idéia do custo. Em contato com o pessoal da Del Mundi, lá de Campo Bom/RS, empresa responsável pela importação e distribuição do produto, fiquei sabendo que já foram iniciadas as negociações para termos a farinha brevemente aqui na região sudeste.
1 Kg de farinha de batata desidratada Frenz rende muito! Faça as contas: 1 Kg de FRENZ pode render 20 litros de sopa ou 138 unidades de rissoles ou 7,4 Kg de purê ou 3 Kg de massa para bolinhos ou de nhoque, ou 7,5 Kg de bolo ou 168 unidades de petit gâteau
 A farinha de batata desidratada Frenz é um produto que pode ser consumido por pessoas com e sem restrição alimentar.
No site MUNDO FRENZ, somente as receitas sem glúten levam o carimbo "SEM GLUTEN + SABOR", porque a FRENZ leva a sério a saúde e o bem estar da população celíaca.
Agora, a gente já pode consultar onde comprar este maravilhoso produto. Basta entrar no site MUNDO FRENZ e acessar ONDE ENCONTRAR. Imediatamente você será capaz de identificar o ponto de venda mais próximo de você, com todos os detalhes para contato. Para facilitar, segue o link: http://www.mundofrenz.com.br/onde-encontrar-frenz.

Segue abaixo uma parcial do encarte da farinha de batata da FRENZ:

 
 e3 Marketing – Uma empresa que merece uma chuva de confete!
Bom pessoal, preciso encerrar essa primeira parte da matéria com uma chuva de confete para a empresa e3 Marketing e sua equipe. Esse pessoal, que é totalmente focado em nutrição, esporte, e bem-estar, planejou, organizou e fez o evento 3º GLUTEN FREE e 1º
ZERO LACTOSE DE SÃO PAULO acontecer com a precisão de um relógio suíço.
Um beijo pra essa gente linda!


Obrigada Silvia!!!
Mas ainda não acabou não é mesmo?
A Silvia está preparando a cobertura das palestras, tudo que ela viu e ouviu de inovações, tratamentos, mudanças alimentares e vai nos passar tintim por tintim, alguém tem dúvidas?
Beijos e até breve!!!!